Prezado deus do futebol,

Eu te admiro muito. O seu esporte é uma das coisas mais maravilhosas já criadas, sendo importantíssimo para a vida de muita gente. Com ele, vivemos em um eterno contraste de emoções, com um verdadeiro misto de alegria e tristeza. Isso sem falar, claro, da total imprevisibilidade presente, e isso é um dos principais elementos que faz desse desporto algo tão mágico. A questão é que um certo time do Rio de Janeiro vem fugindo do ponto de equilíbrio. Seus torcedores agonizam desde o início do século XXI, e em pouco tempo podem atingir o ápice da desolação. Trata-se do Club de Regatas Vasco da Gama.

Bem, é óbvio que você sabe da situação cruzmaltina, bem delicada aliás. Vim por intermédio dessa carta lhe fazer um sincero pedido: não permita que o pior aconteça. Não vou negar, tem alguns “vascaínos” que merecem tudo isso, especialmente um ditador enrustido, bastante conhecido, que pode ser encontrado na Colina Histórica com o seu característico charuto. Os admiradores dessa figura controversa, tal como aqueles que acham que derrotar o arquirrival rubro-negro é suficiente para o ano ser bom, também devem sofrer bastante. Contudo, a maioria não é assim, quero que isso fique bem claro.

Estamos cansados, cada vez mais cambaleantes e com o orgulho ferido. A Cruz de Malta sangra diariamente em nosso peito, e não falta muito para o infarto. Milhões de torcedores, espalhados de norte a sul deste Brasil, injustamente castigados, ano após ano. Talvez tenhamos errado no passado para merecer tamanho sofrimento, sinceramente eu não sei, mas estamos no limite, os vexames são sucessivos, um pior do que o outro, e parece que esse roteiro de filme de terror não irá acabar. O Gigante clama para sair do coma profundo, se encontrando acorrentado aos caprichos de uma diretoria patética, longe de representar a centenária instituição, que dirá os seus verdadeiros torcedores. A estadia no inferno está sendo longa demais.

Você é uma entidade poderosa, afinal, muitos eventos inexplicáveis dentro do esporte, todo ano, tem alguma interferência sua. Em 2000, tenho muito a agradecer aliás, pois apenas uma intervenção divina explicaria aquele milagre em pleno Palestra Itália. Uma noite inesquecível, de um tempo muito bom e que tanto faz falta. Em 1998, até os ateus se curvariam perante o seu poder, pois quem acreditaria que aquela falta de Juninho Pernambucano seria cobrada com tamanha perfeição? Pois é, coisas inimagináveis que só o futebol proporciona.

Por isso, ó deus do esporte bretão, eu lhe suplico para que o Almirante sobreviva a essa tempestade violenta. No momento, não há uma luz no fim do túnel, mas aquela mãozinha divina pode vir muito a calhar. 2017 é um novo ano, e o futuro nós escrevemos através de atos, não de palavras, e eu lhe garanto, tem muita gente disposta a mudar esse clube para melhor. Enfim, pense bem, seja justo e coerente. Escrevo essa carta com todo o carinho, e eu te asseguro, do fundo do meu coração, sem segundas intenções nem desonestidade, Vasco da Gama merece o retorno dos seus dias de glória.

Um abraço,

Rafael Serfaty, vascaíno de raiz.

Comentários

comentários