Conheça a história do torneio vencido pelo Vasco da Gama

Um clube de futebol, ao longo de sua história, disputa inúmeros torneios, por vezes amistosos, que acabam relegados ao segundo plano perante conquistas mais expressivas. E esse é o caso do Torneio João Havelange, competição interestadual praticamente esquecida, ou desconhecida, de grande parte da torcida vascaína. Agora você deve estar se perguntando: o que diabos foi esse campeonato?

Sumariamente falando, tratou-se basicamente de uma “Recopa Rio-São Paulo” organizada pela CBF, tendo como critério classificatório incluir os campeões de 1993 dos torneios de clubes realizados no Rio de Janeiro e em São Paulo, no caso o Campeonato Carioca de Futebol, o Campeonato Paulista de Futebol, o Torneio Rio-São Paulo e o Torneio Ricardo Teixeira, este último uma disputa entre clubes cariocas e paulistas de expressão relativamente menor, segundo a Folha de S.Paulo, uma espécie de “segunda divisão do Torneio Rio-São Paulo”.

Graças à conquista estadual em cima do Fluminense, o Vasco obteve a vaga no torneio junto ao: Mogi Mirim, campeão do Torneio Ricardo Teixeira; Palmeiras, campeão paulista e do Rio-São Paulo; Corinthians, vice de ambas as últimas para o Verdão. Vale ressaltar, o nome do campeonato foi em homenagem ao então presidente da FIFA João Havelange, tendo sido disputado de 10 a 24 de agosto de 1993.

O sistema de disputa do torneio foi no famigerado mata-mata, começando nas semifinais com jogos de ida e volta. Em seu primeiro confronto, o Gigante da Colina teve que encarar o Palmeiras, emplacando 3 a 0 já na primeira partida, disputada em São Januário. Com o empate em 1 a 1 no Parque Antarctica, o Cruzmaltino pôde chegar à decisão contra o Mogi Mirim, que havia eliminado o Corinthians.

Os jogadores (da esquerda para a direita), Leandro, Tinho, Pimentel(D), do Vasco; e Edmundo, do Palmeiras, durante partida válida pelo Torneio João Havelange de 1993.

Na ida da finalíssima, o Almirante goleou por 4 a 0 o time paulista no Rio de Janeiro. Mas se engana quem pensa que a taça já estava na mão, pois estes trataram de complicar ao máximo a vida do Vasco, igualando no agregado com uma goleada de mesmo placar em Mogi Mirim. Entretanto, com a vitória vascaína por 4 a 3 nos pênaltis, a taça pôde rumar para a Colina Histórica. O goleiro Caetano foi o grande destaque, agarrando duas cobranças e marcando o gol do título.

Os cruzmaltinos Hernande e Jardel, com dois gols cada, conquistaram a artilharia do torneio. Alcir Portella era o técnico do clube à época, possuindo em seu time-base nomes como Carlos Germano, Pimentel, Alexandre Torres, Geovani e Valdir. Ainda que não seja uma competição de grande relevância, como toda conquista, é motivo para se orgulhar, afinal, poucos tiveram méritos o suficiente para poder disputar esse torneio, e Vasco da Gama foi um deles.

Saudações Vascaínas!

Comentários

comentários